Templo

“Quando um de nós estiver doente, todos estaremos. Quando curarmos um, estaremos todos curados.” Embasados em uma Filosofia que nos ensina que a natureza busca equilíbrio e que estamos ligados a todos aqueles que estão ao nosso redor, através de pensamentos, sentimentos e atos, e a cada um de nós é dado a oportunidade de caminhar em equilíbrio para vencer, crescer e evoluir unidos.

Os rituais utilizados para manifestar esse desejo são apenas mantos que envolvem os atos sagrados. Os espaços sagrados existentes na área dos Caminhos de Aram Kaá, foram desenvolvidos a partir da motivação das curas, e recriados da própria natureza que já existia ali em abundancia. A área total conta com aproximadamente 100.000 metros quadras de natureza, que conglomera rio, nascentes, mata nativa, lagos naturais, onde os espaços sagrados se encontram. Também, através de conceitos arquitetônicos de uma simplicidade artística, temos uma construção que carinhosamente é chamada pelos Iniciados de o Grande OCARUÇÚ, que em tupi-guarani pode ser traduzido como “a grande oca”, onde acontecem os encontros com nossos mestres.

A ritualística utilizada nesse espaço traz manifestações das tradições da Umbanda dos Filhos de Aram Kaá, com sua sabedoria autenticamente brasileira e tão rica como o próprio Brasil. O visitante tem a oportunidade de conhecer e se inebriar com os encantos de um local onde o sagrado fez morada e a possibilidade de, através dos saberes individuais, tocar e movimentar as forças desse sagrado para todas as possibilidades que desejar.

Os Caminhos de Aram kaá é a sequencia do trabalho realizado pelo Templo Guerreiros da Luz. O Templo, nascido nos finais de 2008 realiza um trabalho fascinante de auxilio a milhares de pessoas.

Para aqueles que buscam mudanças é preciso que a vontade aconteça e diante dessa, novos caminhos surgirão.

Bem vindo aos Caminhos de Aram Kaá, onde todos os caminhos são possíveis.

O Dirigente

Meu nome é Rigoberto Franceschi. Comecei minha vida na Umbanda aos quinze anos de idade, vindo inicialmente de uma religiosidade católico cristã, fundamentada em grandes pecados e nenhuma desenvoltura para com a sensitividade que eu tinha. Passei longos anos para corrigir meus desajustes e quanto mais o tempo passa, mais nitidamente consigo observa-los. Para isso tive de aprender o alfabeto da intuição, uma das linguagens sagradas do grande livro da natureza. Sei hoje que esse processo inicial de religiosidade cristã e Umbandista moldou minha forma de entender e interpretar a espiritualidade.
          Em 2008 iniciei, com a ajuda fundamental de algumas almas poderosas, os trabalhos de uma casa que veio a se reformular drasticamente com o passar dos ans, em razão de seu mentor espiritual entender que nada é estático e uma religião como a Umbanda jamais será, pois nasceu sobre as bases da mudança. Também, por sua vontade aceitei um trabalho árduo e ao mesmo tempo prazeroso, o de desmistificar a palavra Umbanda e tudo o que deriva dela. Para isso tive de rever “grandes” conceitos. Remontando um tempo áureo da religião, onde a caridade era símbolo de cuidar do outro para cuidar de si. Abrir as portas de nossas casas para que o povo brasileiro conheça e se reconheça nessa que é a religião do Brasil, multi-facetada e multi-cultural como é o brasileiro. Casas de portas abertas para quem precisa. Este é o propósito maior. Entendo que tratar dos males do homem através da ação da luz dos Orixás é retornar a nossos ancestrais divinos e, desta forma cultua-los, pois somente o culto indiscriminado esvazia o próprio ato do culto. Neste sentido cultuar é fazer reviver aquilo que “Eles” se dispuseram a fazer em vida e fazer continuidade: conceito fundamental de família ( e em que se esta embasada toda a religiosidade de Umbanda). Para isso foi preciso que eu entendesse que teologia é para religiosos e religião é para aqueles que precisam de espiritualidade.
          Quanto a divergências de ordem dogmática, prefiro ficar calado. Mas é preciso observar o objeto para que se possa tirar alguma conclusão sobre ele. Qualqer coisa diferente disso é leviandade.
No inicio do ano de 2013 adquirimos uma área de terras que viria a se tornar, depois de muito trabalho, os "Caminhos de Aram Kaá", em homengem a todas as possobilidades que nosso mestre nos oferece e a todos que necessitam dele. Você é bem vindo aos caminhos de Aram kaá, onde todos os caminhos são possíveis.
se desejar falar comigo:
caminhosdearamkaa@gmail.com
Filosofia

Em algum momento da história humana, quando deixamos as cainhadas nômades e nos unimos em pequenas e grandes comunidades, exigiu-se em nós a necessidade de perguntar o que, como e por quê? Perguntas essas que teimamos em responder até os dias atuais. Essas perguntas, feitas com critérios foram denominadas filosofia, porque instigavam nosso desejo de saber mais, para vivermos melhor. As capacidades individuais e coletivas em responder com coerência e verdade a essas perguntas nos dão respostas na mesma proporção e constituem o que chamamos de filosofias de vida. Maneiras pelas quais podemos nos enredar pelos caminhos de nossa existência com sapatos nos pés, sobre as rochas pontiagudas do mundo. Nos viveres dos Templos encontramos, nas palavras de um homem simples, um mestre iluminado as respostas para nossos questionamentos. Respostas essas que nos instigam a calçar os sapatos, se desejarmos. Refletir e agir. Somos instigados por um pensamento, que a principio parece simples, mas que nos instiga a observar o mundo, e principalmente a alma humana, de formas muito distintas, como é o ser humano. A filosofia dos Filhos de Aram kaá pode ser encontrada no livro sagrado do dia a dia dos iniciados, em suas respostas ao que o mundo lhes apresenta. Como o Mestre nos ensina, uma filosofia é vivencia, mas para que possamos toca-la com nosso intelecto existem textos reflexivos e para isso existem obras escritas. Abaixo teremos alguns textos, que denominamos FUNDAMENTOS, que refletem essa filosofia das vivencias no templo, porém, muito se encontra para nossas vivencias diárias em outros textos.

Fundamentos

A FORÇA DO AXÉ

Sacrificar é trabalhar pelo sagrado. O contato com o sagrado levou a humanidade a grandes avanços na tecnologia, nas relações humanas, nas ciências, quando da interpretação correta nas comunicações. No princípio as comunidades coletoras se tornaram caçadoras também, para suprir as necessidades alimentares. Com isso nasceu a necessidade de dividir o que se conseguia com o sagrado, que fazia parte da família. Da coleta eram entregues frutas para que as divindades trouxessem fartura. Da caça, o sangue e as vísceras eram entregues com a mesma finalidade. O sacrifício do animal era feito de uma forma ritualística, como ainda acontece com algumas religiosidades afro-brasileiras. A essas todo o nosso respeito e admiração. Porém, em nossos rituais não existem os sacrifícios animais, pelo simples fato que entendemos que podemos conseguir o Axé através da manifestação das vibrações que existem nas múltiplas facetas que a natureza nos oferece, tanto a humana, com suas energias mentais, emocionais e físicas como também na natureza diversa, através de suas milhares de formas energéticas, como as águas, que se tornam sagradas ao colocarmos nossos desejos de cura emocional sobre elas, em rituais específicos. Ou no fogo, que tem a capacidade de reagir em nosso campo mental, retirando pensamentos viciantes. As ervas, que a medicina tem descoberto serem poderosos medicamentos. Essas ervas verdes, maceradas de maneira correta produzem campos vibracionais de cura, em contato com o corpo humano, através da ritualística propicia. Podemos pensar nas fases da Lua, seu poder visível sobre as águas, as plantas e os animais. Nas concentrações humanas em contato com as dimensões superiores, através, também, de rituais específicos, conseguimos a captação de energia potencial para curas milagrosas. A filosofias dos Filhos de Aram Kaá entende a conexão afetiva que existe entre os seres humanos e os animais e busca a vida plena para esses amigos de fases evolutivas diversas do planeta Terra.

Os alucinógenos

O corpo humanos reage de inúmeras maneiras aos efeitos alucinógenos de plantas e bebidas. As reações psicológicas são igualmente diversas. Na busca de contato mais eficiente com o sagrado, que não é elementar, acontecem alguns abusos dos psicotópicos. Fumo, bebidas alcoólicas e ervas psicoativas existem, foram e são utilizadas por aqueles que entram em contato com o sagrado. Nos rituais públicos esses artifícios são dispensados dos trabalhos nos Templos que são regidos pela Filosofia dos Filhos de Aram Kaá. Para saber mais sobre a filosofia dos Filhos de Aram Kaá você pode adquirir os livros “Um Minuto de Umbanda Para Todos Os Momentos do Seu Dia” e Filosofia I” pelo fone (54)3311 26 41.

Os rituais

As manifestações espirituais acontecem desde o principio dos tempos, quando o homem habitou esse planeta. De inúmeras maneiras, sensitivos desvendaram o véu entre os mundos e aos poucos foram sendo desenvolvidos certos ritos para equilibrar os momentos propícios para esses intercâmbios entre o sagrado e o profano. Dessa maneira inúmeras religiões nasceram. Os rituais tem a função de diminuir a tensão entre uma luz espiritual, sua sabedoria transcendente do todo e as consciências encarnadas que os procuram. Para que esse intercambio aconteça são necessários seres que vivem em muitas dimensões ao mesmo tempo. Os sensitivos.

O que se torna fato é que são necessários rituais para que nossa pequenas consciências se elevem e possamos recebem as dádivas de momentos com o sagrado. Esses momentos são plenos para cada um, quando os rituais são executados com simplicidade e amor.

Amamos quando desejamos amar. Esse sentimento tem o poder de curar e iluminar todos os caminhos, e é através dessa luz que guiamos nossos passos. Nos Caminhos de Aram kaá os iniciados, que são sensitivos com conhecimento filosófico e ritualístico, tem a função de conduzir os visitantes nas suas buscas pessoais diante do sagrado. Porque sabemos que a todos é dado a oportunidade de tocar a mão de Deus, cada um a sua maneira. Os inúmeros rituais realizados são tratados com a seriedade que merecem as pessoas que deles participam. Por filosofia, não acontecem sacrifícios animais nesses momentos. Apenas o que a natureza nos coloca a disposição, como Água, Fogo, Ar e tudo o que vem da Terra, como plantas, folhas verdes e secas que são utilizados de maneira transcendental nesses rituais.

Guerreiros

No link baixo você será conduzido ao site de apresentação dos Filhos de Aram Kaá, os Guerreiros da Luz. seja bem vindo a egrégora dos Filhos de Aram Kaá.

 

 http://temploguerreirosdaluz.com.br

 

Contato
Templo Guerreiros da Luz
  • facebook
Linha machado, Interior, Ibirapuitã - RS
CEP 99320-000
(54) 3311 2641
© 2014 Caminhos de Aram Kaá. Todos os direitos reservados. Desenvolvido por Guapo Web.